Design

Arquivos da categoria

Dicas para se vestir no Natal

672527544_partyimagefinal

O Natal é passado com a família e os amigos, uma ceia mais rica e duradoura que requer uma roupa mais elegante e sofisticada. É importante sentir-se bonita. Mime-se, maquilhe-se e chegue um pouco de perfume.

Neste dia especial é importante ter alguns cuidados com o seu visual, deve escolher uma roupa bonita mas também confortável, especialmente, se vai ajudar a preparar a ceia de Natal ou se tem crianças.

Sugestões de roupas para usar na ceia de Natal

Dicas para escolher a roupa que vai usar no Natal

Pode comprar uma roupa especial para a ocasião ou escolher uma do seu guarda-roupa, esqueça o fato de treino ou o camisolão do marido que costuma usar em casa, confortável mas bonita.

Prefira um vestido ou umas calças com uma blusa bonita, os acessórios, penteado, maquiagem e sapatos ajudam a compor o visual.

A palete de cores que pode usar é imensa, apesar da maioria das lojas apostar em propostas em tons vermelhos, deve escolher um tom que combine com o seu tom de pele e de cabelo. Evite o preto, use o azul-marinho, o cinza, o bege, tons de azul ou verde, branco, nudes…

Se escolher comprar uma roupa nova opte por um modelo versátil que possa ser utilizado em outras ocasiões, os modelos simples são mais fáceis de mudar completamente consoante os acessórios que usa.

Opte por roupas sem muitos detalhes, que pode facilmente usar noutra ocasião, aposte numa bolsa, num colar, num alfinete, num lenço, capaz de tornar a roupa única.

Escolha uma roupa de bom material e principalmente confortável.

Compre tudo com antecedência e experimente, evite ter de comprar alguma coisa na véspera da ceia quando as lojas estão cheias.

Se precisa de cortar ou pintar o cabelo faça na semana anterior ao Natal para que a cor assente e para evitar fazer tudo à pressa.

Espaço Mulher


10 Curiosidades da moda que você precisa saber

A moda, assim como qualquer outro meio, está envolto de curiosidades e histórias interessantes. De mitos a fatos históricos, elas ajudam a manter a moda sempre em evidência.
E são sobre essas curiosidades que vamos falar hoje. Dez delas, especificamente. Vale lembrar que suas numerações não estão em ordem de importância, mas apenas como organização de fato; neste aspecto, deixamos a classificação com você. Então, sem maiores delongas, vamos à nossa lista.

Vintage Retrô

Até que nem está muito ligado a moda sabe do estilo vintage, que ovaciona os estilos de roupas, penteados e outros trejeitos estilísticos de décadas passadas. Aliás, vários segmentos atuais procuram seu sucesso trazendo velhos estilos nostálgicos de eras passadas para as novas gerações, remodelados aos novos tempos sem perder sua essência original.
Porém, no caso da moda vintage, vale uma curiosidade a respeito de sua classificação. É comum a confusão entre este termo e o termo retrô, pelos mesmos motivos explicados acima. Para não fazer feio, tenha em mente o seguinte: peças vintage remetem ao período entre 1920 e 1960. Acima dessa época, já podemos chamar de retrô.

Revista Vogue

Conhecida por seu alto padrão de matérias e de críticas nervosas a vários estilistas e modelos, a Vogue é considerada uma das revistas mais importantes do mercado da moda. Grandes modelos já foram capa da conceituada revista, incluindo Gisele Bündchen, mais de uma vez. Sua redação já serviu de inspiração para filmes, como o “Diabo Veste Prada”, com Anne Hathaway e Meryl Streep.
E sua qualidade é comprovada pelo tempo em que está ativa. A primeira edição da Vogue é de Dezembro de 1892! Isso a torna uma das publicações mais antigas em atividade até hoje, comprovando o poder de sua marca.

Espartilhos

Poucas pessoas sabem, mas os espartilhos caíram em desuso não por ficarem fora de moda. No início do século XX, as peças começaram a ficar obsoletas como meio de afinar as cinturas femininas com o surgimento de vestidos de cintura alta, que realizavam a mesma função sem castigar o corpo.
Seus substitutos foram os sutiãs. Criados por Mary Tucek em 1907, as peças basicamente eram a parte de cima dos espartilhos, apenas cobrindo os seios. Mas a novidade foi tão interessante que teve alcance mundial ao ser estampada na capa da Vogue. Servindo tanto como sustento aos seios como para dar um toque de sensualidade, as peças evoluíram gradativamente em materiais, recursos e estampas, atendendo a todos os gostos e necessidades femininas nos tempos atuais.

Blue e Jeans

Existem muitos tons para as cores. De um olhar acurado feminino ao generalismo masculino, suas variações são importantes para garantir peças diferenciadas em todos os aspectos, e obviamente, em cores. Assim é com o Jeans, que entre o “jeans claro” e o “jeans escuro”, existe uma cor específica que predomina em boa parte dos modelos antes de sua primeira lavagem.
O Indigo Blue é um dos tons mais fortes de azul, encontrado não apenas nos primeiros modelos de Jeans, mas em várias peças militares e roupas de gala. Esse tom específico, embora se disperse com as lavagens e o uso frequente, tinha forte influência nos anos 80, com uma durabilidade muito maior do que a atual.

Influência Real

O período da rainha Elizabeth I na Inglaterra é de grande influência não apenas na cultura recente da nação britânica, mas em diversos outros segmentos da moda e similares ao redor do planeta. Entre as particularidades da rainha inglesa, estava seu gosto exagerado por chapéus.
A rainha Elizabeth era tão aficionada pelo acessório que declarou uma lei que todas as mulheres acima de 7 anos deveriam usar chapéus em público todos os domingos e em feriados. E ai de quem se recusasse: embora não fossem presas, as mulheres eram duramente multadas caso não estivessem trajadas com a peça na rua.

Adaptando aos Automóveis

A invenção dos automóveis foi revolucionária em diversos aspectos dos primeiros anos do século XX. Além de tornarem as viagens mais seguras e rápidas do que as carroças, eles também influenciaram a moda de maneira indireta.
Lá no final do século XIX, quando a moda já mudava significativamente entre as mulheres, os vestidos ganharam mudanças drásticas para se adaptar aos automotivos, facilitando o acesso das mesmas aos veículos. Aliás, podemos destacar essa mudança como um dos fatores que terminaram com os espartilhos, ditos lá em cima.

Invenção do Biquini

Pode não parecer, mas a invenção do biquini é muito mais recente do que se imagina nas criações estilísticas para as mulheres. E assim como em diversos outros pontos da história da moda, sua invenção é atribuída a um francês, no caso o estilista Louis Réard em 1964.
O nome “Biquini” foi uma referência de Louis a uma região de testes atômicos dos Estados Unidos, localizado no Pacífico. Quem diria que até mesmo a corrida nuclear chegou a influenciar a moda, não?

Cabelo Curto

Parece algo absurdo de se pensar nos dias de hoje, mas os estilos de cabelos curtos entre as mulheres era um enorme tabu há décadas atrás. Sim, décadas, já que não faz muito tempo. Além de serem considerados um ato de rebeldia pelos meios familiares tradicionais, uma mulher com cabelos curtos era considerada infiel.

Os inventores da Moda

A cultura egípcia é repleta de fatos curiosos e misteriosos. Dentre eles, podemos destacar sua relação quase íntima com a moda. Além de terem sido uma das primeiras civilizações a fazer uso de maquiagens – embora seu uso seja relacionado a religião e a nobreza –, os egípcios também foram os primeiros a dar certas tendências na moda.
A eles, são atribuídos tanto o primeiro calçado – a sandália – como a primeira peça de roupa feminina, a saia, embora os homens também fizessem uso dela. E a julgar pelas imagens encontradas, as saias eram parte da indumentária de todos os egípcios.

Bermudas

A bermuda tem uma origem curiosa. Inventada entre os 30 e 40, ela serviu como uma alternativa a uma estranha lei nas Ilhas Bermudas. Aliás, o nome se atribui a ilha, já que fora inventada lá. A lei em questão proibia que as mulheres mostrassem as pernas, algo que se mostrava cada vez mais frequente ao redor do planeta com os vestidos curtos.
Com as bermudas, dois problemas foram facilmente resolvidos. Primeiro, tanto homens como mulheres receberam opções mais atraentes para épocas de intenso calor como costuma ser nas ilhas. E segundo, as mulheres conseguiram driblar a lei com as bermudas. Afinal, elas não estavam mostrando nada acima dos joelhos.
Gostou das curiosidades? Tem mais alguma que queira compartilhar? Deixe nos comentários.

Fonte: Bolsas Relicário


10 DICAS PARA SER UMA MULHER SUPER CHIC E ELEGANTE

Que mulher não gosta de ser chic e elegante, não é mesmo? Mas, para conquistar essa imagem, é preciso estar atenta a algumas questões fundamentais. Confira:

1. USE MAQUIAGEM SEM PARECER QUE ESTA USANDO

Uma boa base, corretivo e uma boa máscara para cílios, proporciona um ar mais saudável e natural, ninguém dirá que está maquiada

2. USE ROUPAS DE QUALIDADE

Roupa de qualidade nem sempre é roupa caríssima, observe a costura de dentro e de fora da peça, observe o tecido, pode até ser poliéster mas se parecer seda fará com que você transmita uma imagem mais refinada.

3. ESTEJA SEMPRE ARRUMADA

Se arrumar não quer dizer se vestir para uma festa e usar salto alto, quer dizer que você não precisa parecer desleixada para se sentir confortável.

4. VALORIZE SEU ESTILO PESSOAL

Não adianta nada usar vestido tubinho clássico se sua “vibe” é do macacão com corte geométrico. Descubra seu estilo e mostre o melhor de você mesmo. Uma mulher elegante só é considerada assim porque se conhece e sabe o que a valoriza.

5. EVITE EXCESSOS

Usar muitos acessórios, muitas estampas juntas, muitas cores juntas, muitos detalhes, muitos desenhos, proporcionam uma imagem muito extravagante, por isso, menos é mais e o segredo da mulher elegante é sua discrição.

6. USE CORES QUE TE VALORIZEM

Se a cor da moda é coral mas você já percebeu que a deixa pálida, quer dizer que você nao deve investir. A cor que nos valoriza, normalmente são aquelas que, algum dia enquanto usávamos, fomos elogiadas.

7. UNHAS SEMPRE IMPECÁVEIS

Faça as unhas toda a semana com uma profissional, escolhas esmaltes que valorizem suas mãos. Uma mulher que se cuida sempre chama a atenção positivamente.

8. ESTEJA SEMPRE LIMPA

Ninguém é elegante quando está com a pele oleosa ou muito seca, cheira mal, não se depila, não lava ou tinge os cabelos. Cuidados pessoais são essenciais para que as pessoas se sintam bem na sua presença.

9. ESTEJA SEMPRE CHEIROSA

Ser cheirosa não quer dizer usar perfume com fragrância forte e invasiva, aliás, ser invasiva não é nada elegante. Opte por perfumes cítricos e que permaneçam em sua pele por bastante tempo.

9. ESTEJA SEMPRE CHEIROSA

Ser cheirosa não quer dizer usar perfume com fragrância forte e invasiva, aliás, ser invasiva não é nada elegante. Opte por perfumes cítricos e que permaneçam em sua pele por bastante tempo.

10. SEJA A MULHER COM QUEM GOSTARIA DE ESTAR

Não fale sobre tragédias, assuntos tristes. Cortesias como “boa tarde”, “como vai”, para TODAS AS PESSOAS, independente de sua situação social. Faça contato visual quando estiver conversando ou cumprimentando alguém. Sorria sempre. Nunca deposite seu lixo em qualquer lugar, jogue sempre no lugar certo. Seja civilizada!


Quem disse que boné é coisa de menino?

A ideia de que boné é coisa exclusiva de menino já é ultrapassada. As famosas são super adeptas do acessório e você também pode arrasar se inspirando nas divas.

Quer ver só?


Vestindo-se para arrasar na festa de amigos, no churrasco e na praia!

Seja qual for o evento, é bem importante saber se vestir porque levamos um pouco do que somos. Claro, que vai dos seus gostos, mas para quem quer se vestir bem e não cafona, vale atentar para as dicas a seguir.

Leia as dicas para quando for a uma festa de amigos, ao churrasco ou na praia.

Festa de Amigos:

* Use pantalonas com uma blusa simples, justa no corpo (se você estiver em forma), e sandálias de tiras finas. Uma joia sempre vai bem com blusas básicas. Se você optar por usar uma saia, prefira as que moldam o corpo, com camisa branca e cinto fino com acabamento;

* Blusas de tricô sempre vão bem com calça jeans – se a festa for informal – pantalona de cetim ou bermuda;

* O curinga pretinho básico é ótimo para essas ocasiões, principalmente se você incrementá-lo com acessórios coloridos.

No Churrasco:
* Calça jeans, camiseta, bermuda e short, sandália rasteira ou tênis. Você estará sempre preparada para qualquer tipo de lugar onde ocorrerá o churrasco, seja no campo, na casa de um amigo ou qualquer outro local. É o básico do básico, e você estará fashion;

* Lembre-se de incrementar o visual com acessórios.

* As jovens devem usar biquíni ou maiô, minissaia ou short com camiseta regata. As mulheres maduras devem optar por biquíni maior, se estiverem com o corpo em forma. Do contrário, o ideal é usar maiô com um vestido de corte reto como saída de praia. Escolha sempre chinelos de palha ou de plástico. Há muitos modelos bonitos por aí.


História das Calças Femininas

Há décadas atrás, os tecidos finos eram acessíveis apenas para mulheres ricas que poderiam comprá-los e mandá-los para as costureiras produzirem os vestidos que desejavam. Estes vestidos eram longos, sem decotes e sem cortes, ou seja, bem comportados, pois as mulheres mais ousadas, na época, eram taxadas de prostitutas ou pecadoras, seja por causa das famílias tradicionalistas, da sociedade ou das entidades religiosas. Quando começaram a pipocar mulheres com calças, por exemplo, os escândalos eram constantes. Antigamente não haviam outras opções de vestimentas além destes vestidos, ao contrário de hoje, que as mulheres enlouquecem com a variedade de vestimentas existentes.

As primeiras mulheres começaram a usar calças após a Revolução Francesa como forma de protesto. O choque da sociedade era tanto que elas não poderiam sair às ruas novamente com tais vestimentas, pois corriam o risco de não serem liberadas da prisão novamente. Mas, as francesas foram teimosas e disseminaram a peça de roupa ao redor do mundo, chegando a um estágio que as autoridades não podiam mais controlar o que podiam ou não usar. O tecido destas calças eram de algodão, sendo que até então, apenas homens usavam calças, de seda, que os tornavam superiores em relação aos pobres.

Ainda no início do século XX, tempo dos nossos avós, não se podia usar calças no dia-a-dia. Na França, por exemplo, as calças passaram a ser permitidas em passeios de bicicleta ou à cavalo. Por conta das guerras mundiais, onde também passaram a trabalhar, de forma escrava, as mulheres mais pobres começaram a usar as calças dos seus maridos. A famosa calça jeans só surgiu em cena no ano de 1960, quando as mulheres hippies começaram a utilizá-la para trabalhar em minas de pedras preciosas. Mas, virou moda, foi liberada e começou a ser produzida em massa nos Estados Unidos.

Na década de 80 o uso de calças se popularizou a nível mundial, momento em que passou a surgir a variedade de opções da moda feminina. Somente na década de 80 as calças ganharam outros tecidos, cores, texturas ou estampas, além de novos cortes, bolsos e formatos. No entanto, ainda há países que abominam a existência desta vestimenta, que se tornou a peça mais básica do guarda-roupa das mulheres. Na França, por exemplo, a lei que regulamenta onde as calças podem ser utilizadas só foi cassada, pasme, agora em 2013, causando rebuliço entre os homens, religiosos e tradicionalistas até hoje.

Nos países mais severos, como, por exemplo, o Sudão, a lei contra o uso das calças foi reforçada desde o ano de 1991 e persiste até hoje. De acordo com o código penal do Sudão, as mulheres que usam qualquer tipo de calças estão incitando o crime de uso de trajes obscenos, crime este que é penalizado com multas em libras e várias chicotadas em público. Contudo, em vários outros países, como, por exemplo, os que estão situados no continente americano, o assunto já é algo ultrapassado e muitas pessoas acabam não acreditando que estas leis ainda existam de fato.

A conquista das mulheres em poderem utilizar calças desencadeou a moda para outras vertentes além dos vestidos. Desta forma, surgiram as blusas, as camisas, as saias, os macacões, os cortes, os decotes, os acessórios, as leggings, os bodies, as minissaias, os casacos, as jaquetas, os cardigãs, as saídas de praia, as meias calças, as roupas e banho, os shorts e as bermudas. Tudo em diferentes cores, texturas, estampas, formas geométricas, listras ou ilustrações. Outra diferença de antes para depois é que todas as peças existentes atualmente estão ao alcance das mulheres de todas as classes sociais, sendo que há marcas para diferentes níveis econômicos.


Aos nossos pés – Mulheres e sapatos, sem dúvida, um caso de amor eterno…

Mulheres e sapatos, sem dúvida, um caso de amor eterno…

Uma bela sandália por si só não traz felicidade, mas eleva a auto-estima de qualquer gata borralheira à Cinderela em segundos. Mulheres amam sapatos e sabem o poder que um salto agulha tem. O mais valioso dos acessórios é peça-chave para compor um visual que se pretende esportivo, sexy, chique ou despojado. Uma simples veste do dia-a-dia, por exemplo, pode se transformar num look arrasa-quarteirão, se combinado com o modelo certo. Ícone fashion, objeto de desejo e arma implacável de sedução. Por estas e outras, no nosso guarda-roupa, há sempre lugar para mais uma paixão, ou melhor, mais um par.

Você pode até achar que está precisando de uma T-shirt branca básica. Mas as chances de sair do shopping com um novo sapato na sacola é provavelmente bem maior. Uma pesquisa feita pelo site Chic mostrou que as brasileiras não abrem mão mesmo é de ter várias opções na sapateira. Durante os meses de junho e julho deste ano, 1.291 mulheres responderam ao site sobre o que tinham em seu guarda-roupa. Entre calças, blusinhas, saias e vestidos, os sapatos foram considerados a peça indispensável no armário: 53% disseram que têm mais de 16 pares guardados.

Pode levar a bolsa, o anel, o relógio, mas deixa meu Manolo Blahnik
E não faltam boas razões para o sucesso do acessório com ambos os sexos. O salto alto deixa a mulher com maior estatura e, aparentemente, mais magra. É sinônimo de elegância e, aos olhos deles, de sensualidade. E o mais importante: os sapatos são sempre democráticos. Não importa se a mulher tem as medidas perfeitas ou se ganhou uns centímetros a mais nos últimos meses. Os mesmos sapatos ficarão lindos tanto nos pés de atrizes de Hollywood quanto nos de simples mortais.
Paixão histórica

A paixão pelos sapatos, que acomete todas as mulheres, em maior ou menor grau, inspirou a italiana Paola Jacobbi, filha de brasileira e jornalista da revista Vanity Fair, a escrever o livro Eu Quero Aquele Sapato, lançado pela editora Objetiva no Brasil. Depois de extensa pesquisa e dezenas de entrevistas, ela se surpreendeu ao descobrir que o mentor do salto alto foi, na verdade, um homem. Luís XIV, rei da França entre 1643 e 1715, por ser muito baixo, mandou que fossem confeccionados modelos com salto.

A mania de sapatos pode ser generalizada, mas foi Imelda Marcos, a ex-primeira dama das Filipinas, quem entrou para a história como a maior colecionadora de sapatos do mundo. Durante o governo de seu marido, Ferdinand Marcos, ela se tornou conhecida por correr o planeta atrás de modelos novos, enquanto milhões de pessoas em seu país viviam em extrema pobreza. A coleção de Imelda chegou a ser estimada em três mil pares. O que ela nega com veemência. Diz que eram “apenas 1060″. Em 2001, Imelda abriu um museu na cidade de Marikina, para mostrar, claro, seus sapatos. No local, foram expostos centenas de modelos, como alguns dos que foram deixados no palácio presidencial quando Imelda e Ferdinand tiveram de fugir das Filipinas em 1986.
Pisando na calçada da fama

Muitos sapatos se tornaram famosos depois de calçarem alguns dos pés mais cobiçados do planeta. O salto agulha virou símbolo máximo de sensualidade após ser adotado por Marilyn Monroe. Fã do sapato alto, ela declarou: ”Não sei quem inventou o salto alto, mas todos os homens devem muito a ele”. Junto com vestidos decotados e esvoaçantes, os sapatos eram considerados armas de sedução para uma dos maiores sexy symbols de todos os tempos.

Mais discreta, mas não menos desejada, a bonequinha de luxo, Audrey Hepburn, alçou as modestas sapatilhas ao estrelato no mundo fashion. Sempre elegante e dotada de 1,75 metros de altura, o salto alto realmente não era acessório necessário para ela. Desenhadas pelo designer Salvatore Ferragamo, o modelo usado por Audrey entraram de vez para a lista dos sapatos mais famosos do mundo. Em alta novamente, há muitas opções nas vitrines por aí. Práticas e confortáveis, é preciso apenas ter cuidado na hora de escolhê-las para um look mais elaborado. Outra diva do cinema, Catherine Deneuve, imortalizou o modelo preto baixo, com fivela prata, ao usá-lo no filme “Bela da Tarde”. O sapato foi criado por Roger Vivier para Yves Saint-Laurent, que assinou o figurino da produção.

Um dos mais badalados designers da atualidade, o espanhol Manolo Blahnik, viu seus sapatos virarem mania nos Estados Unidos, após serem adotados pela personagem Carrie, do seriado “Sex and the City”, interpretada pela atriz Sarah Jessica Parker. Chiquérrima, em seu armário não faltavam modelos Dior, Gucci e Dolce & Gabbana, mas sua verdadeira obsessão eram mesmo os tais sapatos Manolo Blahnik. Na vida real, Sara Jessica Parker se mostrou igualmente maníaca pelas sandálias desenhadas pelo espanhol. Durante um assalto, implorou ao ladrão: “Pode levar a bolsa, o anel, o relógio, mas deixa meu Manolo Blahnik!”.

Famosas brasileiras também não pisam em falso quando o assunto é… sapatos! A atriz Cláudia Raia, por exemplo, possui em seu armário mais de 400 pares. E a apresentadora Hebe Camargo também não resiste a um modelo novo, tem mais de 200.

Todas aos seus pés

Atualmente, além de Manolo Blahnik, compõem a lista dos designers mais cobiçados do mundo o canadense Patrick Cox, o sino-malásio Jimmy Choo e o italiano Sergio Rossi. As brasileiras também têm um produto made in Brazil para incluir na lista dos sonhos de consumo dos pés. A grife da carioca Constança Basto fez nome por aqui e conquistou Nova York, onde tem loja própria e espaço na sofisticada Henri Bendel, loja de departamentos na badalada Fifth Avenue. Nicole Kidman e Cameron Diaz são algumas das clientes estreladas, que se renderam aos sapatos cheios de estilos criados por Constança.

Conforto x prazer

A maioria das mulheres está sempre disposta a passar por algumas horas de sofrimento para não deixar de lado o sapato perfeito. Porém, há também quem preze por conforto. Até mesmo o antológico modelo Chanel, com calcanhar de fora e bico de cetim preto, criado em 1958, foi desenhado para usar elástico na tira acima do calcanhar e, assim, dispensar a fivela. Já o tênis, que de sensual não tem nada, era um calçado exclusivo de ricos que praticavam esportes.

Mas, se você é daquelas que não descem de um salto 12 por nada, uma verdade tem que ser dita: os sapatos baixos têm lá suas vantagens, e a mais importante é que eles preservam a saúde dos pés. Portanto, cuidado com as paixões avassaladoras!


Nova tendência: Cabelo cinza

Sabe aquela cor de cabelo que fazemos o máximo para esconder? Que arrancamos e pintamos na esperança que não apareçam nunca mais? Pois é, virou tendência.

O tal do cabelo cinza só é uma polêmica para nós, mulheres. Enquanto isso, os homens curtem seus fios grisalhos tranquilamente e ainda são vistos como ~sábios. O fato é que está rolando uma onda de moças novas pintando seus cabelos. Não se sabe se é por pura estética ou se, para algumas pessoas, é uma crítica a toda essa loucura que é a imposição da beleza feminina. O cabelo foi apelidado de “granny hair” (algo como cabelo de vovó) e tem até hashtag no Instagram.

A vantagem é que começamos a ver o cabelo branco com outros olhos – e percebemos que ele não é lá esse bicho de sete cabeças. Até que ele fica bem bonito, sim! E o melhor: nos mais diversos tipos de cabelo. Do cacheado ao liso, do comprido ao curto. Mas queremos saber: o que vocês acham da tendência?


5 TENDÊNCIAS DE MODA PARA O OUTONO/INVERNO 2015

O Guia da Semana preparou dicas para você arrasar no look neste inverno!

A época mais glamorosa do ano está chegando e é claro que estamos falando da temporada de outono/inverno. E quando o assunto é moda, é hora de caprichar no look quentinho, mas sem deixar o estilo de lado. O Guia da Semana conferiu quais são as tendências que vão dar o que falar em 2015 e conta tudo para vocês. Vamos nos inspirar?!

PRETO, BRANCO, VERMELHO E MARROM

Inovar o clássico preto & branco com tons de vermelho foi uma das tendências mais apontadas nas passarelas da última edição do SPFW. Variações neutras, como o cinza e o bordô, também foram vistas. Outro clássico a ganhar repaginada foi o marrom, que foge da paleta tradicional e ganha cores inusitadas – desde o ameixa até tons alaranjados.

MILITARISMO

Não é de hoje que o militarismo inspira a moda. Para 2015, o coturno e o camuflado saem de cena, dando lugar a detalhes mais discretos, como casacos e ombros bem estruturados, assim como a cintura marcada.

ANOS 60 & 70

Silhuetas longilíneas, franjas, cintura alta, alfaiataria e barriga de fora. Os anos 60 e 70 nunca saem de moda! Se nas outras temporadas, os 80 foram a bola da vez, agora, quem manda são as décadas anteriores. Cores vibrantes saem de cena, dando lugar a looks minimalistas e maduros. A principal inspiração é Jane Birkin, que deu nome a bolsa mais cobiçada de todos os tempos: a Birkin, da grife Hermès.

SUÉTERES

Quem disse que o conforto não pode estar na moda? Isso porque os suéteres invadiram as passarelas, com direito a bordados, mix de texturas e estampas criativas. Para deixar o look ainda mais confortável, a modelagem maxi dá aquele tom gostoso de moletom.

BOTAS OVER THE KNEE

Inverno é sinônimo de botas – isso não é nenhum segredo! Uma novidade é que as botas over the knee (acima do joelho) voltaram com tudo. E se você quiser estar ainda mais na moda, não hesite em optar por modelos com cadarço e até pelo brilhante vinil.

Fonte: Guiadasemana


Com parque, mercadão e muito samba, conheça as atrações de Madureira Comente

~
O Parque Madureira, no Rio de Janeiro

O centenário bairro da Zona Norte do Rio abriga inúmeras atrações culturais, entre elas, algumas que já se tornaram clássicos da cidade como o Baile Charme do Viaduto de Madureira e a Feira das Yabás.

Veja o roteiro completo e conheça um pouco mais do bairro Madureira:

Parque Madureira

Com diversas atrações culturais, o Parque Madureira atrai centenas de visitantes durante toda semana. É uma das maiores áreas verdes da cidade, conta com ciclovias, academia para idosos, quadras poliesportivas e uma pista de skate, a segunda maior do país. Abriga regularmente eventos como o Bowl Jam, campeonato de skate, shows de samba na Arena Carioca Fernando Torres e na Praça do Samba, festivais como a Abertura Oficial do Verão e muito mais. E o melhor, toda a programação é gratuita.

Quando: Aberto de terça a domingo, das 10h às 22h.

Onde: Rua Soares Caldeira, 115 (em frente ao Madureira Shopping) – Madureira.

Mais informações: www.facebook.com/ParquedeMadureira

Escolas de Samba

Madureira abriga duas das mais tradicionais escolas de samba do Rio, a Portela e o Império Serrano. Chama de “A Majestade do Samba”, a Portela foi criada em 1923 como um bloco de carnaval e é uma das fundadoras do carnaval carioca. Atualmente, a Portela recebe visitantes para os ensaios da bateria e promove a Feijoada da Família Portelense regularmente. Fundada oficialmente em 1947, a escola Império Serrano já foi campeã por nove vezes do carnaval carioca. Assim como sua vizinha Portela, a escola também promove regularmente feijoadas, ensaios e outros eventos.

Portela: Rua Clara Nunes, 81 – Madureira. Para mais informações e agenda de eventos da escola, consultar o site oficial.

Império Serrano: Avenida Edgard Romero, 114 – Madureira. Para mais informações e agenda de eventos da escola, consultar o site oficial.

Baile Charme do Viaduto de Madureira

Um local de promoção da cultura popular negra da cidade, o Viaduto Negrão de Lima, mais conhecido como Viaduto de Madureira, abriga uma dos bailes mais antigos do Rio. Com muito charme, hip hop e black music, a festa acontece semanalmente desde 1990. A primeira edição do baile foi comandada por Markin New Charm, Kally e Loop recebiam os DJs Malboro, Fernandinho e Corello. Atualmente quem faz a festa são os DJ’s Michel, Fernandinho e Guto.

Onde: Espaço Cultural Rio Charme – Rua Carvalho de Souza, S/N (embaixo do Viaduto Negrão de Lima) – Madureira. Todos os sábados, às 22h.

Quanto: R$5 (Feminino) e R$10 (Masculino).

Feira das Yabás

Com um time seletivo de cozinheiras, a feira acontece desde 2008 e oferece ao público iguarias da gastronomia brasileira de origem africana e roda de samba com convidados ilustres. O evento acontece sempre no segundo domingo do mês e é uma iniciativa do sambista Marquinhos de Oswaldo Cruz. As mulheres são as estrelas da feira, com barracas espalhadas pela praça, elas preparam pratos como rabada com angu, bolinho de abóbora com carne seca, feijoada de camarão, cozido de peixe, galinhada com quiabo, bolinho de bacalhau, vaca atolada, entre tantos outros. O preços dos pratos gira em torno de R$15.

Onde: Praça Paulo da Portela, S/N – Oswaldo Cruz (Madureira). Todo segundo domingo do mês, a partir das 15h.

Quanto: Entrada gratuita.

Mais informações: www.facebook.com/feira.yabas

Mercadão de Madureira

Com quase cem anos de existência, o Mercadão de Madureira se tornou patrimônio cultural carioca em 2013 e entrou para a lista de principais atrações do Rio. Atualmente, são mais de 580 lojas e uma variedade de produtos que vão desde roupas, acessórios, brinquedos, artigos de festas, comidas, mercearias, mercado de ervas, utensílos domésticos, artigos religiosos, cosméticos e outros segmentos. Estima-se que cerca de 80 mil pessoas circulem pelo Mercadão por dia e é difícil ver algum visitante que saia de lá sem comprar nada. O local é uma boa pedida também para comer petiscos acompanhado de cerveja gelada.

Onde: Entradas pela Av. Min. Edgard Romero, 239 ou Rua Conselheiro Galvão 58 e 96 – Madureira. Funciona de segunda a sábado, das 7h às 19h e domingos e feriados das 7h às 12h.

Quanto: Entrada gratuita.

Mais informações: (21) 3355-9044 e www.mercadaodemadureira.com


Page 1 of 3123



Buscar lojas